quinta-feira, 18 de junho de 2015

ASSIM IMAGINEI

Esqueça as tempestades, agora.
Tuas mãos caladas me disseram.
E para, que o amor, não vá embora.
Múltiplas razões, juntas vieram.

Os ventos levaram, nossas flores.
Outras primaveras reflorescerão.
O mundo veste, de glória os amores.
Quando moram, no mesmo coração.

A tua paz, em mim apascenta.
Anoiteceres serenos sonos suaves.
Tua nobreza, uma câmera lenta.
De meu coração, abre entraves.

Contigo, mais tranqüilo viver.
Dessa verdade, encontro meu leme.
Assim, imaginei, que haveria ser.
Portanto, esse bem, nada teme.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário