domingo, 21 de junho de 2015

DOBRAS DO VENTO

Quando levas escondido contigo.
Em dobras tão transparentes.
Pensamento de vidraça,te sigo.
Roçando vais, sempre na frente.

Meu cabelo colado em meu rosto.
Brincando,zoando com muito gosto.
Quando, uma folha seca roçando.
Estirada na calçada esvoaçando...

Lambes os trilhos, longe lançam.
Poeiras leves, nuvens alcançam.
Á noite soprando sobre telhados.
Ciscos nos quintais esparramados.

Vento baldio, quando tu dobras.
As esquinas, as minhas sobras.
Leva contigo, adejando meu coração.
Em tuas dobras, uma linda canção.

Nenhum comentário: