quinta-feira, 25 de junho de 2015

ENXURRADA DE SENTIMENTO

Chove agora, luzes burladas.
De minha janela, aprecio cair.
Brilhantes gotas precipitadas.
Escorregando ligeiro a fugir.

Numa enxurrada corrente.
Saltando entulhos, ligeiras.
Molhando carros e gentes.
Pequenos rios, corredeiras.

Como sentimentos, correm.
Nossas sanguíneas correntes.
Constantemente, socorrem.
Os nossos completamentes.

Enxurrada de sentimentos.
Aqui dentro de minha alma.
Arremedando, os movimentos.
Uma viagem, secreta e calma.

Nenhum comentário: