quarta-feira, 24 de junho de 2015

ESTRADA__CORDEL

Sou simples como brisa.
Que se solta, feito vida.
Dualidade mais precisa.
Solidão nela contida.

Sou tão reincidente.
Folha que singra o mar.
Navio preso á corrente.
Silêncio, que sabe falar.

À vontade do que já fiz.
Costume, que não tem jeito.
Felicidade, só por um triz.
Em meu arrebol perfeito.

A lua sem aparição.
O choque de tudo e nada.
Olhar do coração...
Em sonho cortando estrada.



 

Nenhum comentário: