quinta-feira, 18 de junho de 2015

LUGAREJO MUDO

Antes, fosse apenas a razão.
A simplesmente verificar.
Porem-me diz o coração.
Lugarejo feito para rezar.

Com as atitudes, com olhar.
Mediante cordilheira que amo.
Jamais deixarei de guardar...
Tuas manhãs, longe reclamo.

Uma mudez de um povo.
Calmo satisfeito com a vida.
Minha reação, rever de novo.
Essa minha experiência vivida.

Pássaros pequenos e grande porte.
Cães soltos, correndo felizes.
Parecia estar distante da morte.
Essas imensas, e verdes cicatrizes.

Lugarejo mudo, que deixei.
Bem perto brandura do mar.
Entendo que eu voltarei...
para feliz de novo estar.

Nenhum comentário: