quinta-feira, 18 de junho de 2015

NOSSOS DIAS

Assim indigentes, nada temos, por isso,
Jamais abones, desfeito compromisso.
A dor precisa nos visitar constantemente.
Tão sem estima, tão mixo, tão infrequente...

Esse sentimento, nada mais domina...
Fútil, efêmero, faz ruir e descrimina.
Os nossos dias, jamais feitos á nós.
As semelhanças, tão desiguais e sós.

Felicidade distancia, em outro lugar.
Raso mirabolante, assim, para separar.
Pobres  almas, contudo, infiéis também.
Jamais eximo culpa, contudo, só um tem.

Dentro de mim, tenho tudo arquivado.
Desse amor o fim, e  alguém  premiado.
Enquanto, ainda lamento a condição.
Pobre  sentimento, apenas uma ilusão.

Nenhum comentário: