quarta-feira, 24 de junho de 2015

LICENÇA

Tombados pensamentos,
E as almas dizem amém.
Determinado o momento.
 E como uma estrela vem.
Lindas linhas irredutíveis
Os divinos reverenciam.
Quando ainda invisíveis.
 Mas, lindamente prenunciam.

Espetáculo descido aos montes.
Exposto, lentamente...
Entre as pedras das fontes.
 Do humano inconsciente.
Rotulado no coração,
 Compasso esperançoso.
A vida veste emoção
 E galga ao luminoso.

Batutas livres, imensas.
 Regida em noite sossegada.
Da beleza licença...
 Para embarcar á jornada.
Dançam nos horizontes,
 Faíscas de sóis e luar...
 Deus atravessa as pontes.
 Tão perto vem levitar.

Põe a noite dormir,
 Orvalhando a madrugada.
Um sono assimila sentir.
 Uma paz tão precisada.
O amor alojado no peito.
 Divina alusão eterna.
E um brilho perfeito.
 Dentre almas emberna.



Nenhum comentário:

Postar um comentário