quinta-feira, 18 de junho de 2015

QUEIMADOS SONHOS


Sóbria,eu pensei em ti, tantos dias.
Que me transformei, como a rocha.
Queimado sonhos, em árdua tocha.
Jamais ascendida, a paixão baldia.

Balizando, a minha área sensível.
Escondido o esmero, me mantém.
Uma luz queima, e ilumina, também.
Quando em nítido, consciente falível.

Sentir dor, pois o amor, jamais ilude.
Hoje, nem a paixão, eu permito entrar.
Compartimentos, em delimitado lugar.
Jamais coube, eximidos o cruel, o rude.

Triste e inspirada, resgatada, tão tensa.
Mil perguntas, para zeradas respostas.
Esperanças, vendidas todas em postas.
Variante preço, também a recompensa.

Contemplei a partida, sonhos calorosos.
Comiseração, enquanto eu em tua porta.
Colocada ,sob teu cuidado, porém morta.
Em vácuos ausentes, vazios extremosos.

Nenhum comentário: