quinta-feira, 25 de junho de 2015

SENSATA

Do amor, contaminados versos.
Obstinados, e calmos, esses raiam.
Odisséia pausada, sonhos imersos.
Apenas e simplesmente, ensaiam.

Assim, ao amor, seguir, fielmente.
Como um pássaro busca a mata...
Vinculado em elos, dessa corrente.
Eterna cativa, fidelidade sensata.

A vida parodia, quando abriga.
Adentra no peito, e pelas frestas.
Imensa doação, que sempre irriga...
Ao bem, totalmente se empresta.

Transitado na idéia, eternamente.
Inclusive convidado á consumar.
Quando, eterno vínculo, recorrente.
Alusão á saudade, querendo saltar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário