quarta-feira, 17 de junho de 2015

TUA COMPANHIA

Agora, uma noite, dentro de minha alma.
Meus espaços, teus traços, tão apertados.
Sensação, nesse momento, unificados.
A vida boceja, na emissão de calma.

Melodia, doce calmaria, prenunciados.
Cortando os continentes, em nossa mão.
Que alisa, dúbio pulsar do coração.
Ousadia e inocência, inebriados...

Acostumo-me, ajeito, e tomo forma.
Dessa unificada, embrulha e confunde.
Como estrela, em brilho se funde.
Sensação, que o amor, presente informa.

Lentos passos, estação de primaveras.
Em teus ruídos, leves canções de ninar...
E pereniza um breve período á retornar...
Ao meu coração lacônico, tu imperas.

Enquanto tudo, conto divinal, e posto.
Lentamente, nova página, grafada.
Leio, em clara manhã, viva ensolarada.
Que identifico, no cintilar do teu rosto...


Nenhum comentário:

Postar um comentário