quarta-feira, 17 de junho de 2015

COMPANHIA

Uma noite, dentro de minha alma.
Espaços, teus traços, tão marcantes.
Sensação, nesse momento, instantes.
A vida boceja, na emissão de calma.

Sonolenta calmaria, prenunciada.
Cortando continentes, em nossa mão.
Insinuando dúbio pulsar do coração.
Ousadia e inocência, congratulada.

Acostumado ajeito, tomado forma.
Unificada, embrulhada confunde.
Como estrela, em brilho se funde.
Sensação, amor presente informa.

Passos á estação de primaveras.
Em ruídos, leves canções de ninar.
Encantamento pondo a perenizar...
Ao meu coração lacônico, imperas.

Enquanto, conto divinal, e posto.
Lentamente, nova página, grafada.
Em clara manhã, viva ensolarada.
Identificado cintilar do teu rosto...



Nenhum comentário: