quinta-feira, 25 de junho de 2015

VENTO SONORO

Dançam as roupas grudadas.
Fazendo sentir o teu abraço.
Assovios soltos, de ventos, rajadas.
Que me ocupa, em todo espaço.

Cantarolando tristes canções.
Zunindo e voando, pelos montes.
Deixa pegadas, poeiras, suposições.
De quem já perdeu, seus horizontes.

Vento que zomba de minha dor.
Que vem e me leva, presa e liberta.
Entendido coração, onde entra amor.
É vento sonoro, numa porta aberta.

Vento que corta, as ondas do mar.
Arranha os telhados de minha cidade.
Vento sonoro, que vive a uivar.
Diga a alguém,estou com saudade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário