sábado, 18 de julho de 2015

A TERRA

Que Deus nos perdoe, pela inversão.
Por tantas coisas, que se perderam.
Ambigüidade, da palavra evolução.
Em ensinamentos, se perverteram.

Que a Terra, tenha piedade, de nós.
Pela estupidez, até então ignorada.
Tempos, em que juntos, e tão sós...
Dentre comunicações.apertadas.

Estamos entorpecidos, e perdidos.
Pensando, estarmos no ápice total.
Sentimentos nobres, tão destituídos.
Tentando reaprender, com o animal.

Tanta coisa nos destes, mãe Terra.
Em fúria de consumismo, enterramos.
Hoje grande mediocridade, encerra.
Os danos profundos, que causamos.

Que Deus acolha os desfavorecidos.
Almas empobrecidas, dos vencedores...
Corpos desagregados,quando despidos.
Eternos e elegantes ,clássicos pudores.


Nenhum comentário: