quinta-feira, 23 de julho de 2015

ELO

Esqueça minha acuidade, e siga.
Porque, lembrarás sempre, assim.
Minhas confissões, jamais diga.
Apenas tente, esquecer de mim.

Se a saudade, impor desgosto.
Uma ponta, de ciúme também.
Em meio à manhã, vista o rosto.
Displicentemente, e tudo bem.

Meu cuidado, um alívio te trará.
 Amor tranquilo, aquecida frieza.
Mesmo assim, sei, tanto recordará.
Apenas um elo, emanada certeza.

 Jamais couberam, as decisões.
Apenas, segui diante dos fatos.
Tampouco, expus, reclamações.
Exibido sorriso, em cada retrato.

E, toda vez que, a solidão te vier.
Embora, completamente o oposto.
Guarde uma imagem, onde couber.
E dela, aquele sorriso do rosto...

Assim, a vida seguirá igualmente.
Amor, sempre estará subentendido.
Em todos os fatos, que subsequente.


Farão deste, apenas um elo estendido.

Nenhum comentário: