quarta-feira, 1 de julho de 2015

DESPERTAR

Leve e terno, um despertar da vida.
Que jamais conta, o tempo vivido.
Simplesmente, chegada ou partida.
Paira entre estranho, e o conhecido.

Quando o coração, descobre a paz.
Livre incumbência, acatado respeito.
Entendimento, enquanto, amor jaz.
Cabendo despertar,o delicado feito.

Pois, caminhando a largos passos.
Espalhadas sementes, no caminho.
Estreitando, ou refazendo os laços.
Vencidos furacões, e redemoinhos.

As sementes, dos plantios abrolharão.
Fazendo sombra, ao redor da imagem.
Enquanto todos, seus frutos colherão.
Livremente como, despertar da aragem.

Nenhum comentário: