quarta-feira, 1 de julho de 2015

INCOLOR

Abandonando a saudade, para mim.
Cuidando, como uma ama-seca, fiel.
Emudecendo, distanciando, e enfim...
Liberdade  incólume, ingrata, e cruel.

Pois bem,e uma saudade, advinha.
Então levando, juntamente poesia...
Esquecendo, porém, amor definha.
Renascendo novo, na soltura do dia.

Junto da saudade,plantado o amor.
Querendo abrolhar, tão logo então.
Amando estrelas, perfume da flor.
Cuidando bem,deste meu coração.

Enquanto,minha dedicação arguia.
Jamais,eu reclamando,o ponto final.
Apesar da história, legendária, e fria.
Exclusão colocada,e amor sem igual.

Deixando  assim, a palavra incolor.
Em destemida, e vestida aleivosia.
Compondo uma nota, ao desamor.
Enfim também, retornando um dia.



Nenhum comentário: