sábado, 18 de julho de 2015

LAMENTO


Uma rosa, ao sereno curvada.
Sob airado distribuidor.
Letárgico sentimento indolor.
Sempre ao ápice da temporada.
 
A noite lenta, sob uma lente.
De clareza fulminante.
Um roll de costume elegante.
Batendo contra o eficiente.
 
Como uma canção desairosa.
Sem rimas e versos apurados.
Jovens, crescendo apavorados.
Anseiam ascender, ao topo da prosa.
 
Lamento de palavras e atos.
Correm soltos, noite afora.
Repetido princípio aprimora.
Conto servil, frívolos boatos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário