quarta-feira, 1 de julho de 2015

O SOL DA VIDA

Quando receoso apareces.
Pondo meu sonho acanhado.
Sabes que jamais me aborreces
Príncipe, plebeu encantado.

Com teu jeito peculiar.
Porém, assentado garboso.
Jeito de me encantar.
Requintado e generoso.

Ascende a vida, ligeiro.
Desenha o meu coração.
Põe um sorriso brejeiro.
Guardo na palma da mão.

O sol da vida aquece.
E florescem meus jardins.
Tristeza desaparece...
Deslumbrada com teus sins.



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário