quarta-feira, 1 de julho de 2015

PRESENÇA

Desembrulha constante saudade.
 Definindo uma longa ausência.
Revoada rente, trisca á vontade.
Meu pensamento em prepotência.

Noites longas, quando dia invade.
Imenso espaço, em arrumação.
Fingimento rotula minha verdade.
Em abreviada e longa, resignação.

Às vezes, feito uma tempestade.
Guardado, insinuativo, sem jeito...
Arranjado tempo, eu me visto.
De um balanço intenso, no peito.

Em mente clara, ou bisbilhotice.
Guardo á vida, uma certa emoção.
Soa também, uma esquisitice.
Insistindo dizer que é paixão.

Arrancada sempre, qualquer verdade.
Em constância, abala meu chão.
Mas, deixada rolar, quando invade
Alegre presença, em meu coração.



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário