segunda-feira, 31 de agosto de 2015

ETERNO AMOR

Munido, dessa diferença, o entoado.
Que refinado encanto, predomina.
Como abóbada celeste, luz divina.
Estrelas desprendidas, céu poetizado.

Eterno,na servidão, do tempo extrai
Fundindo as almas,em mesma vida.
Linha determinada, restringida.
Dentre pensamento, ao coração vai.

Possibilitando, amor eterno, definir.
Como o tempo, que caminha lento.
Aproximação devida, em movimento.
Consumando fato, extremado pressentir.

As luzes do conhecimento se atraem.
Em leve sensação, de serem passados.
Átimos, em milênios segregados.
As estrelas,solitários astros esvaem.


Assim,amor eterno, sempre vaga.
Em silêncio, escreve compreensão.
Atinada esperança, aos dias são...
Simples felicidade ,que a alma traga.




Nenhum comentário:

Postar um comentário