sábado, 1 de agosto de 2015

IMPRUDENTE


Fim de tarde, acenando saudade
Em uma praia, minha vontade!
Passeia,retratando os raios solares
Assentados, em todos esses lugares.

Começo da noite, meu coração, assim
Lustrando as areias,alvejantes, enfim.
Contudo, tentando entender, também
Sombras da tarde, semelhado além.

Em minha praia, em minha janela
A lembrança,reprisante sentinela
Saudades poluídas, doce recado
Eterno brilho, em tempo ganhado.

Mantenho o coração, adormecido.
Praia em mar,pelo vento varrido...
Costumeiramente traz...
Imprudente saudade,ruído faz.


Nenhum comentário: