sábado, 27 de fevereiro de 2016

INVASÃO

Incomensurável saudade, livro aberto.
Como o sol, escrevendo na montanha.
Um fato antigo,mas,com rumo certo.
Uma temporada ,posta luz tamanha.

Sinto saudade de mim, e da paixão.
Deparado sempre, um bom  motivo.
Onde sob domínio, vaga a comoção.
Sentido e cálido, um amor tão vivo.

Saudade, uma razão,só entristecida.
Quando negligenciada, naturalmente.
E assim, afrontada e vencida...
O coração peregrinado na frente.

Silenciosamente, uma solidão assina.
Livre caminho, conduzindo á razão.
Feito promessa ,imagem da retina.
E sob constante sublimação.

Atentamente o mesmo sol,aquece o dia.
Esticando um toldo, sobre o coração.
Sombreado aliciente, em toda a cercania...
 Sussurro de palavras,como uma oração.

Quando talvez,pronunciada esperança.
Como a tarde resvalando, um adormecer.
Vestimenta leve,que uma ode lança.
Na invasão da noite,para assim ser.





4 comentários:

  1. Boa noite.
    Hoje abri esta janela e bebi um pouco do muito que nos deseja oferecer poeticamente.
    Esta saudade é uma busca do que procuramos e nunca realizamos.
    Voltarei outras vezes. Poderá comentar alguns textos e poemas que vou publicando em Madrugadas.
    http://zitorodriguescoelho.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada meu amigo,tanto por visitar meu blog,quanto por me oferecer tuas escritas de presente...Boa Noite!

      Excluir
  2. Minha querida, você sempre surpreendente. Você fala em Saudades... Sinto saudades da época em que não conhecia as maldades do mundo, das violências, dos fracassos, das culpas ou dos remorsos. Saudades dos que me deixaram e partiram! Ficando em mim parte deles...

    Beijo, minha amiga.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo minha amiga,saudade só deixa,quem com coisas importantes e boas escreve em nossas vidas...
    Obrigada pela gentileza!

    ResponderExcluir