terça-feira, 1 de março de 2016

ILUSÓRIA

Encanto, uma devoção domina.
Entardecer, transparente cortina.
Um horizonte, imagem ilusória.
Sonho, desenhando uma história.

Abandonada, recordação lenta.
Uma emoção, saudade inventa. 
 Recordação, destemida ingrata.
Á luz da lua, anoitece e arremata.

Uma rua, um deserto instalado.
Recordação, lembrete apagado.
Tantas lembranças, já aniquiladas.
Falam e cantam, tão sossegadas.

 Serenatas ecoam, encantadoras.
Inventando estrelas sonhadoras.
Reverenciando, uma dor, enfim.
Livro escrito, começo, sem fim.

Contudo, lembrança guardada.
 Noite esperando, a madrugada.
Para inventar, um novo dia...
Como rotativa, e triste fantasia.



Nenhum comentário: