domingo, 24 de julho de 2016

A REVELAÇÃO

O tempo, jamais teve pressa, por isso.
Vivemos outros encantos distantes.
Saudade vivida, como compromisso.
E as lembranças, não vividas antes.

Eu te busquei tanto tempo, sem saber.
Tamanha felicidade, tão  caprichosa.
Cada dia vivido, uma página para ler.
Constituindo assim, fatalidade honrosa.

Meu amor, enquanto amores, me abraça.
Para que eu possa amar, todos os meus.
Doce champanhe borbulhante, numa taça.
Permite-me provar, o que o amor me deu.

Um coração melhor, e muito mais forte.
Um entardecer rosado, uma montanha.
Felicidade sabor, sendo assim o suporte.
Simplesmente, me regendo acompanha.


Nenhum comentário: