quarta-feira, 13 de julho de 2016

PREVISTA

Eras uma vida diante de meus sentimentos.
Que me punha, em realidade, naquilo que sou.
Fugindo pelas frestas, tal fugitivos ventos.
Uma porta intocável, em meu coração lacrou.

Tendes então, uma propriedade bem quista.
Quanto  conheço, amo-te doravante...
A vida, um curso repetindo uma prevista.
Que nasce e se expande, a qualquer instante.

Serás, mesma vida, postada em um olhar.
Porém, jamais direi, quanto me convém...
Ceifada a raiz, pendidas flores a abrolhar.
Deitarão como aragens, que vão e vêm.

E faço parte, quando partida também.
Em sintonia me reparo, com algo bem feito.
Recrutadas esperanças, sempre me convêm.
Visto que as guardo,contigo em meu peito.


Nenhum comentário: