terça-feira, 23 de agosto de 2016

PRECISÃO

Quanto tenho  procurado.
Revestida de toda razão...
Feito barco antigo parado.
Dentre a mesma opinião.

Ventos gelados surraram.
Meu corpo todo ressentido.
E, para longe levaram.
O meu lamento dorido...

Tuas razões e argumentos.
Têm toda razão da vida...
Porém, nossos momentos.
A mantém,livre,nutrida.

Quando, sombras calaram.
Qualquer palavra sensata.
Árduas luzes gritaram.
Em precisões mais exatas.

Precisados,dessa emoção.
Seguimos sentindo saudade.
Insistindo em dizer, que não.

A Indumentária da vaidade.

Nenhum comentário: