sábado, 10 de setembro de 2016

ENCLAUSURADA

Imensidão na tarde recostada.
Escolhe o seu  ângulo melhor.
Raiando coloridos ao redor.
Linda, como flor enamorada.

Enclausurada, assim vestida.
Canta uma melodia desertada.
Vaza livre, uma bela entoada.
Canção, na mata espremida.

Nítida impressão sobressalta.
Uma palavra para a cantoria.
Crepúsculo, quando nina o dia.
Linda alcova, esverdeada e alta.

Coração reza, com um balanço.
Como relógio dentre catedral.
Musgos dependurados no varal.
Riacho debruçado ,em remanso.

Um morro de algodão pintado.
Colore a noite, colore o dia...
Desenhada no céu, linda simetria.
Que sobe desce, como corcovado.

Nenhum comentário: