terça-feira, 22 de novembro de 2016

RESPOSTAS DILUÍDAS

Aonde vamos encontrar.
As respostas diluídas.
Querendo tanto explicar.
Quanto ás perguntas perdidas.

Aonde caminha o certo.
Porque, junto do errado.
Contrastes morando perto.
Entretanto, tão misturados.

Com quem pareço agora.
Dentro da fotografia...
Quando tanto tempo demora.
Entre uma noite e um dia.

Assim, todos se parecem.
Feitos eletrônicos relicários...
Onde todos se conhecem.

 Mas, distantes e solitários.

2 comentários:

Tais Luso disse...

Diziam, há anos, que os opostos eram que se atraiam...
Gostei muito do tema e do ritmo... a gente vai no embalo até o final, parece uma canção!
Beijo, querida amiga!

Izildinha Renzo disse...

Obrigada amiga!
É simples mas me inspirei em zygmunt-Bauman,que fala tanto da modernidade líquida em seus livros,das pessoas do Face,das coisas que mudam tão rapidamente.Beijo!