domingo, 18 de dezembro de 2016

MESMO ASSIM

Da canção,o legado,intervém...
A arte enfadada assenta repouso.
Quando reviração deparar ouso.
Exercendo meu legado também...

Meus predicados variaram distorções.
Os meus sonhos variaram os fatos.
Tal qual, cansados e velhos sapatos.
Que seguem adiante,em contrações.

O sol promete deparar os ventos.
Ausentado mediante breu total.
Frágil descompromisso vira banal.
E a vida reflete os novos momentos.

Em qual das estrelas, ocultarei?
Ou quem sabe, onde sou ventania.
Copiando as cores, aflição, alegria.
Trucidando palavras, talvez, partirei.

Aplacados olhos pardos, incendeiam.
Tonalizando meu pensamento,vão.
Induzido ao encanto,virados estão.
Para onde os sonhos,ainda passeiam.

Mesmo assim, arrastados estamos.
Como renascer, de uma esperança.
Tocada alegria, onde a mão alcança.
Em sabores reais, que edulcoramos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário