terça-feira, 6 de dezembro de 2016

SERVIDÃO

Expressão tranquila da tarde aquieta.
Mais um dia em servidão...
Alimentando com um ar de profeta.
Os outros dias, que assim virão.

Cabais átomos e moléculas análogos.
Porém, díspar espécime, declarado.
 Em servidões delimitados diálogos.
Crendo mudar, um curso traçado.

Livre ar, dentre a noite abafada...
Perpetrando a cercania, á respirar.
Silenciosa prerrogativa ultrajada.
Contendo tanta observação no ar.

Ora, como meros seres inanimados.
Careceres prestados ao desarrimar.
Atrelando uma fila de creditados.
E tanta computa, para abrandar.


Nenhum comentário: