terça-feira, 10 de janeiro de 2017

VOZ DAS ESCRITAS

As disfunções, entre as funções, alegam.
Unicamente, quando o olhar cessa ver.
Insofismáveis aclarações, entre si negam.
Um jeito simples e fácil, tanto quanto viver.

Mas, as sofreguidões cingidas latejam.
Perante um temor contundente e voraz.
Juntamente, corpo e alma, pelejam.
Assim, um inusitado rebate satisfaz.

Todos os dias, há uma promessa nova.
Reescrevendo, simples textos riscados.
Como uma hegemonia, posta à prova.
Tentando abrandar, míseros pecados.

Submergido coração, ao ouvir tudo.
Entre as palavras mudas, das escritas.
Percebe um sentimento bom,contudo.
Lindos termos cunhando ,vozes ditas.

A voz, das escritas, grita bem alto.
Requerendo a si, uma interpretação.
Como uma gaivota, em pleno asfalto.
Visando as ondas, em arrebentação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário