sexta-feira, 1 de junho de 2018

CARTA

Antes,muito antes, do por do sol.
Lembrando teus olhos dormentes.
Saudade vigiando, todo o arrebol.
Passando por mim,tu nem sentes.

Enquanto sou  paradeiro da lua.
Buscando em ti, nova postagem.
Minha janela, portanto ainda tua.
Preparada para qualquer viagem.

Explodindo sístole, meu coração.
Espalhando dor na minha cidade.
Disseminada como grama no chão.
Uma triste plantação da saudade.

Tua voz, todavia ainda tão calada.
Teu corpo recuando e tão distante.
Pela tristeza, eu sentindo  alvejada.
Como pobre, atrapalhado retirante.

Antes da noite acabar, pondo a lua.
Arremessada  carta, tristonha no ar.
Enviando com esta, uma  notícia tua.
Delegando qualquer aflição suavizar.
.

Nenhum comentário: