sábado, 7 de julho de 2018

INDIFERENÇA

Ventanias derrubando nas ribanceiras.
Folhas livres, caindo  soltas, pelo chão.
Céleres rodopiando, vivas corredeiras.
Reproduzem gemidos, e reclamação.

Orvalhados prantos gotas derradeiras.
Assim levadas, dentre a  precipitação.
Visíveis ventanias, antigas  maneiras.
Folhas mortas, num outono temporão.

Ventanias, com  passeios dilacerados.
Ruidosas baladas, como  choradeiras.
Adentrando os  taludes escancarados.
Delicadas, e rudes flores alvissareiras.

Folha semelhada, um  coração asilado.
Representando, quando horas serenas.
Deixaste o afeto, em um canto jogado.
Em lugar de amor, indiferença apenas.

Nenhum comentário: