segunda-feira, 23 de julho de 2018

PELA PAZ

Quando um amor, cerra sua porta.
Certamente, seguindo e pela paz.
Contudo, a emoção jamais morta.
Em novo ciclo, recomeçando jaz.

Sendo um amor, feneceu sozinho.
Como uma delicada flor, sem água.
Estúpida sombra, noutro  caminho.
Carregando então, rancor e mágoa.

Porém, um amor fugindo esconde.
Uma linda cor, para um horizonte.
Que iluminando, centralizado onde.
Águas rolando, vivificando a fonte.

E um discernimento, faz merecer.
Consideração, pondo o final feliz.
Enquanto um avesso, vai perecer.
Assim, sendo arrancado, pela raiz.

Nenhum comentário: