quarta-feira, 18 de julho de 2018

SERENAMENTE

Meu amor, o tempo escreveu.
Lindas cartas, em nosso viver.
Então, simplesmente atendeu.
Quão dorido, amar sem poder.

Escrever uma história, enfim.
Resgatando, alegria contida.
Doando as palavras, e assim.
Serenamente, vivendo a vida.

Tua inquietação, tanto ligeira.
Escondendo, um vácuo vazio.
Feito uma nuvem passageira.
Desfeita num vento, e evadiu.

Serenamente, seguirei então.
Mesma estrada, de nós dois.
Levando apenas um coração.
Amando segue, então depois.

Tu estarás, buscando de fato.
Uma novidade, bem  devagar.
Mas da verdade, vindo  relato.
Serenamente,  fingindo estar.