quarta-feira, 24 de junho de 2015

DECISÃO

 Quando alertados, dos tantos perigos...
Sem controle sobre sentimento.
Zombarias, enaltecidas de amigos.
Assim, o tempo passou, lamento.

Lamento, como tudo esteja tão fora,
De lugar, tão perdido, dentro do peito.
Eu, que jurei te amar, por aí afora.
Hoje, sinto quase tudo, tão desfeito.

Estás exatamente, em um lugar.
Escolhido, e sem envergadura.
A vida, livro feito para ensinar.
Enquanto tempo vaza, pela abertura.

Tuas palavras foram fatais, eu sei.
A decidir por nós dois, separação.
Ânsia do querer, a mais forte lei.
Portanto,acato agora, tua decisão.




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário