quinta-feira, 18 de junho de 2015

MEU BEM

 Jamais, desse jeito, se ausentará.
História de amor, impossível calar.
Mediante encantos, mais encantar.
De todos, entre todos, ainda virá.

Teu coração, ligeiramente puro.
Quão vasta beleza, este esconde.
Contudo buscarei, nem sei aonde.
Apenas, e sempre, assim, eu juro.

Nossas dores, tombarão por terra.
Em nossa liberdade, livro aberto.
O bem, sempre, caminho certo.
Meu coração, meu bem, encerra.

Tardes dormirão, em céu aberto.
Teus cílios, cerrações, neblinas.
Sorriso feito, noites purpurinas.
Poesia brotada, estando por perto.



Nenhum comentário: