quinta-feira, 14 de abril de 2016

EM VÃO

Luz resplandecente, airada, leve.
Desce imperceptível entre multidão.
Semitonada, lívida nota breve...
Tocando a fluidez, da inspiração.

Lento e compatível, assim refaz.
Repetido verso, em conversação.
Elo recorrente, e o dia compraz.
Repetida pausa, da  averbação.

A rua dorme, e sob o sol, plácida.
Elevada e monótona, pavimentação.
Guarda imagens, sob aragem ácida.
Dos transeuntes, que vêm em vão...

Uma aglomeração compactada.
Sobre uma cidade, em movimento.
Atribulado dia, em vestimenta cansada.
Repousa em claro, adormecer lento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário