domingo, 4 de junho de 2017

O SEMPRE

O que explica sempre, comigo, eu reflito.
Como nunca mais acaba, e permanece.
Aonde perambula esse infinito...
Feito lembrança que jamais esquece.

Estarei sempre a te esperar, enquanto.
Minha vida lampeja, nesse ascendente.
Sempre,impera feito, vida de santo...
Um tempo único, também permanente.

Vivemos, como se esse “sempre” existisse.
Guardamos nosso tempo numa gaveta.
Juventude, idade adulta, velhice...
Continuamente “sempre “tal opereta.

Tocante permissivo á vida passar.
Recolhendo as notas esparramadas.
Para sempre poder recordar...
Os trilhos, as lembranças, as pegadas.

Sempre jamais se explica, porém.
Buscamos dar vazão ao tal pensamento.
A vida, um mistério, que sempre vem.
E o sempre grafando cada momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário